Álcool em gel: 6 fatos e boas práticas para se prevenir da Covid-19

Especialistas explicam quais são os tipos realmente efetivos para prevenir contágio pelo coronavírus.

Publicado em: 20/03/2020

Imagem: iStock

Com a pandemia de Covid-19 causada pelo novo coronavírus, a demanda por álcool em gel cresceu em níveis nunca antes vistos. A previsão da Companhia Nacional do Álcool (CNA), maior fabricante do produto no Brasil, é que o número de frascos produzidos em 2020 salte de 120 mil em fevereiro para 6 milhões em março.

O aumento vertiginoso da demanda é resultado das campanhas de prevenção ao vírus que já atinge mais de 200 mil pessoas no mundo. De acordo com profissionais da saúde, além do distanciamento social, uma das medidas mais efetivas para evitar o contágio é a higienização correta das mãos, só que nem sempre podemos lavá-las com água e sabão. É aí que o álcool em gel se torna um potente aliado.

Entretanto, apenas passar esse tipo de produto nas mãos não é o suficiente para combater organismos como o novo coronavírus. Entenda por quê:

1. Nem todos os tipos de álcool funcionam

A quantidade de álcool no produto importa muito: não pode sobrar ou faltar a substância etílica em sua composição. Estudos mostram que o álcool em gel deve ter no mínimo 60% de concentração alcoólica para matar vírus e bactérias.

Uma quantidade muito elevada da substância, entretanto, tampouco é efetiva. Segundo os especialistas, usar o álcool 94% utilizado na limpeza, por exemplo, não funciona, pois sua evaporação é muito rápida. Com isso, não dá tempo do produto matar todos os microrganismos presentes na pele.

“Usar álcool a 100% também secaria a pele muito rapidamente e a irritaria. Isso pode fazer com que você não desinfete suas mãos com a frequência necessária. Esse é o motivo por que a maioria dos desinfetantes para as mãos contém emolientes, que são misturas que ajudam a amaciar e hidratar a pele”, escreveu Jeffrey Gardner, professor da Universidade de Maryland, nos EUA, no site The Conversation.

Em um texto, também publicado no The Conversation, os professores Shobana Dissanayeke e James McEvoy, da Universidade de Londres, indicam produtos cuja concentração alcoólica esteja entre 60% e 80%.

2. Fazer álcool em gel em casa não é uma boa ideia

Com o aumento da demanda por álcool em gel, muita gente não tem encontrado o produto em farmácias e mercados. Para solucuidar o problema, pessoas estão divulgando receitas caseiras do produto — uma péssima ideia, segundo especialistas.

“Você pode ver as fórmulas caseiras online, incluindo algumas que usam vodka. No entanto, a vodka (..) é apenas 40% de álcool. Isso não é alto o suficiente para matar efetivamente micróbios”, pontuou Gardner. Ou seja, o produto que você fará em casa pode não funcionar.

Além disso, o uso excessivo de álcool em gel pode ressecar as mãos, retirando a proteção natural da pele, que também é essencial pra a prevenção de doenças. “O uso de desinfetante para as mãos frequentemente mata todos os microrganismos, incluindo os inofensivos que ajudam o sistema imunológico", explica a médica Jeanne Gricoski, da Clínica Geisinger Orwigsburg, no site na instituição.

3. Aplique corretamente

Para que o álcool em gel funcione não basta apenas aplicá-lo nas mãos. Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), você precisa cobrir todas as superfícies das duas mãos inteiramente com o desinfetante e esfregá-las até secar totalmente.

O CDC também alerta para o fato de que utilizar álcool em gel em mãos oleosas ou sujas (com comida ou tinta, por exemplo) diminui a eficácia do produto. Além disso, um estudo publicado no American Society for Microbiology’s em 2019 provou que é preciso estar com as mãos secas para que o desinfetante seja eficaz.

4. Atenção ao vencimento

Assim como grande parte dos produtos de higiene que utilizamos no dia a dia, o álcool em gel expira após alguns meses de sua fabricação e perde eficácia. Por isso, vale a pena conferir se aquele frasquinho que você guarda na bolsa há meses ainda está dentro da validade. eficácia

5. Cuidado com desinfetantes sem álcool

Além do álcool em gel, existem outros tipos de desinfetantes no mercado que prometem exterminar microrganismos. Por mais que sejam efetivos, os produtos sem álcool geralmente contêm compostos de amônia trigonal (cloreto de benzalcônio é o mais comum), que podem reduzir os micróbios, mas são menos eficazes que o álcool, explica Manal Mohammed, da Universidade de Westminster, na Inglaterra, no The Conversation.

Um estudo publicado no NIH verificou que o cloreto de benzalcônio, é menos eficaz que etanol, peróxido de hidrogênio ou hipoclorito de sódio no combate ao coronavírus. “Os desinfetantes para as mãos à base de álcool não são eficazes apenas para matar bactérias como MRSA e E. coli, mas também são funcionam contra muitos vírus, incluindo influenza A, rinovírus, vírus da hepatite A, HIV e coronavírus da síndrome respiratória (MERS-CoV)”, escreveu Mohammed.

6. Álcool em gel não basta: lave as mãos

O álcool em gel, de fato, funciona contra diversos microrganismos — inclusive alguns coronavírus “primos” do Sars-Cov-2, que causa a Covid-19. Ainda assim, outras famílias de microrganismos são mais resistentes ao produto, como é o caso norovírus e algumas variações do vírus VHA, causador da Hepatite A, por exemplo.

Tendo isso em vista, os especialistas recomendam evitar levar as mãos ao rosto, mesmo após a higienização com o produto. “Lavar as mãos com cuidado é sempre preferível aos desinfetantes à base de álcool para qualquer vírus. A ação física da fricção, a ação surfactante do sabão e a água corrente ajudam a remover o vírus das mãos”, explicou Christine L. Moe, da Universidade Emory, nos Estados Unidos, ao Popular Mechanics.

Fonte: Revista Galileu
Edição: C.S. 

 

Álbuns

Instagram