Entrevista: “Ter uma alimentação saudável é basicamente ter equilíbrio”

A nutricionista da Oncomédica, Nara Cavalcante, defende que é possível conciliar o prazer à mesa e uma alimentação saudável.

Publicado em: 23/10/2019

A nutricionista Nara Cavalcante está há oito anos na Oncomédica.

Mesmo a pessoa mais descuidada com a alimentação, não escapa das informações sobre a importância da comida para se ter uma vida saudável. O que a nutricionista da Oncomédica Nara Cavalcante defende é que isso não precisa, necessariamente, envolver sacrifícios e nem tirar a satisfação de um dos prazeres mais básicos da vida, que é o de comer.

A receita da nutricionista é simples, mas exige uma das atitudes mais desafiadoras e corajosas dos tempos atuais que é ter equilíbrio. O segredo, que não é segredo para quase ninguém hoje em dia, é comer o que se gosta, mas de forma balanceada, entendendo que a saúde do corpo e da mente é resultado, em grande parte, do que ingerimos.

Formada pela Universidade Federal do Piauí e com especialização em Alimentos e Gastronomia pelo Instituto Federal do Piauí, Nara Cavalcante, falou ainda sobre os cuidados com a alimentação dos pacientes oncológicos e sobre a relação entre o câncer e certos alimentos. Ela, que está há oito anos na Oncomédica, conhece como poucos o assunto.

O que é ter uma alimentação saudável?

Ter uma alimentação saudável é basicamente ter equilíbrio, como eu gosto de falar para os meus pacientes. Porque é preciso ter claro que a alimentação não se restringe ao ato de comer em si, ela envolve aspectos psicológicos, então, não adianta você inserir no seu dia a dia alface sabendo que você detesta alface, você poderá substituí-lo por outro vegetal de sua preferência. Isso vai te estressar e só vai criar frustração. O que se deve buscar é o equilíbrio. Você pode comer tudo, dentro de um equilíbrio. Claro que se você tiver alguma restrição de saúde, terá que evitar certos alimentos, mas no geral, ter uma alimentação saudável significa investir em uma alimentação balanceada. Pode comer pizza? Pode, mas não todo dia. Em uma alimentação balanceada você deve incluir, diariamente, o consumo de frutas e vegetais, e evitar frituras e alimentos processados. 

As pessoas costumam dizer que tudo que é gostoso, faz mal ou engorda, isso é verdade? Tem alguma forma da gente ter prazer e, ao mesmo tempo, ter um prato equilibrado nas refeições?

As pessoas, em sua maioria, não usam as possibilidades dos alimentos que oferecem. Existem muitos temperos naturais como manjericão, hortelã, cúrcuma, gengibre, que têm um grande poder de dar sabor à comida e que são saudáveis. Esses vegetais associados a outros alimentos podem gerar pratos deliciosos. O sal não é proibido, mas deve ser consumido com moderação, daí a importância de uma visita ao nutricionista para ter um direcionamento sobre a sua alimentação. E sim, é possível ter uma alimentação bem diversificada, saborosa e com ingredientes naturais.

Tem uma quantidade ideal de vezes para você se alimentar durante o dia?

Isso é variado. A gente recomenda como padrão pelo menos cinco a seis refeições ao dia. Mas isso depende muito da necessidade nutricional de cada pessoa, principalmente, para quem está em tratamento oncológico, e que não pode se alimentar de comida sólida, nesses casos, a gente vai fracionar mais vezes. Mas no geral, entre cinco e seis refeições está de bom tamanho.

Falando agora propriamente dos pacientes oncológicos, quais são os cuidados que se deve ter com a alimentação?

Quando esses pacientes vêm para o consultório eles já estão passando por uma grande mudança de vida. Eles, geralmente, acabaram de receber o diagnóstico, foram esclarecidos sobre o tipo de tratamento que irão fazer e a alimentação indicada, nesse caso, vai entrar como forma de ajuda-lo a ter condições físicas de realizar o tratamento. Claro que cada tipo de diagnóstico vai exigir uma alimentação específica, mas a dieta padrão para os pacientes oncológicos deve buscar fortalecer o sistema imunológico e isso se consegue com o consumo de frutas e vegetais que possuem um maior teor de vitaminas, além do consumo de ovos, leite e derivados. São esses alimentos que vão ajudar na produção dos anticorpos. Em associação a esse consumo, têm algumas práticas que devem ser observadas, como o consumo de carne vermelha, por exemplo. Ele tem que ser moderado, no máximo duas vezes por semana, dependendo do caso. Deve-se evitar ainda frituras, alimentos gordurosos, processados, embutidos e conservantes. A explicação para esse cuidado é porque como o câncer é uma doença inflamatória, você precisa evitar uma alimentação que inflame o organismo, e alimentos como a carne podem gerar inflação.

O que a sra. diria para uma pessoa que está no momento vivendo uma restrição alimentar, mas deseja manter o prazer com a comida?

Em primeiro lugar indico procurar um nutricionista para que essas restrições possam ser conduzidas de uma forma a trazer o máximo de prazer e fornecimento nutricional. Isso porque conversando com o paciente, conhecendo a sua rotina, sabendo um pouco mais sobre os seus gostos, a gente consegue elaborar uma estratégia alimentar que seja adequada e que mantenha o sabor e o prazer à mesa. Por mais que a gente saiba que há milhares de receitas no Google, é interessante procurar um profissional porque nós temos como estruturar uma alimentação versátil, saudável e adaptada ao seu dia a dia.

Por Catarina Santiago.

Álbuns

Instagram